A ideia de Coaching se expandiu não somente em significado, mas no potencial de transformação da vida pessoal e profissional das pessoas. Uma investigação conscienciosa revela, no entanto, que não se pode sinalizar a paternidade do método a uma só pessoa ou a uma única corrente fundadora. Pela variedade de ferramentas utilizadas pelo profissional da área, percebe-se uma fundamentação em sementes bem distantes que foram moldadas com o tempo e associadas a outras ciências.

Exemplo disso são os ensinamentos de Sócrates, que criou, entre outros conhecimentos, a arte do questionamento e a origem do verdadeiro saber. Voltando ainda na história, é possível perceber bases da metodologia em ensinamentos de Buda como a generosidade, a disciplina ética, a paciência, a sabedoria, o esforço motivado e a concentração meditativa. Com uma rica contribuição metodológica, o Coaching se inspira em fontes variadas como Platão, Aristóteles, teóricos da psicologia, como Karl Jung e Sigmund Freud, e diversos outros.

Quanto ao termo, não se sabe ao certo como foi originado. Na língua inglesa, “coaching” quer dizer treinamento e “coach” treinador. A palavra vem do verbo “coax” que significa persuadir. Há quem acredite que esse surgimento se deu na aldeia húngara de Kocs, onde eram construídas carruagens e charretes no período medieval. Há evidências, inclusive, de que esse meio de transporte tenha sido inventado lá e, aos poucos, se alastrado pela Europa. A palavra coach era utilizada para designar o coche, ou seja, a carruagem ou a charrete. E o cocheiro era o condutor e uma espécie de treinador de cavalos.

Já em 1830, alunos da prestigiada Universidade de Oxford, na Inglaterra, usavam o termo coach para se referir àqueles que os preparavam para os exames. Há também quem diga que os tutores das crianças pertencentes à nobreza eram chamados de coaches. No mesmo período, a palavra passou a ser usada nos esportes, evoluindo ainda mais o conceito para o de treinador de pessoas.

E foi no esporte que a figura do coach se consagrou e atravessou os tempos. No século XX, nos Estados Unidos, os treinadores esportivos perceberam a necessidade de explorar o potencial dos atletas para além do físico e passaram a trabalhar também com os aspectos mentais, de concentração e emoção. Somente entre as décadas de 1950 e 1960, o Coaching se tornou parte do vocabulário do mundo dos negócios, sobretudo nos Estados Unidos, onde ganhou sua força inicial.

A necessidade de maximizar o potencial produtivo no trabalho fez nascer o “Coaching Executivo”. A partir disso, com o aperfeiçoamento das várias ciências de desenvolvimento humano e com a possibilidade de união desses métodos que só o Coaching proporciona, a técnica passou a se voltar também para a vida pessoal. Uma combinação de tradições seculares com ferramentas modernas capaz de produzir resultados eficazes e extremamente positivos.