Desde os anos 70, quando surgiu a expressão “carreiras proteanas” as carreiras organizacionais vêm deixando de ser a opção dominante. Cada vez mais os indivíduos se posicionam como responsáveis pelo desenvolvimento e gestão da própria carreira. Com as frequentes crises mundiais, mudanças nas culturas organizacionais e sociais, caem de vez as expectativas profissionais de longo prazo em uma única organização e a carreira passou a ter mais foco em significado do que em dinheiro (Hall, 1996).

Atualmente, as carreiras estão visando primordialmente conciliar suas necessidades particulares de autenticidade, balanceamento e desafios. Neste sentido, a construção de um planejamento profissional é fundamental e algumas etapas são necessárias para identificar as oportunidades de carreira, etapas estas que estão em constante interação (Dutra, 2002):
• 1º Passo – autoconhecimento – parte mais importante e difícil do projeto, envolve o conhecer, observar e entender a si mesmo.
• 2º Passo – conhecimento do mercado – análise do mercado, observando-se as opções, tendências, limitações e alternativas.
• 3º Passo – objetivos de carreira –Nessa etapa procura-se estabelecer objetivos centrados no aspecto pessoal utilizando-se perguntas do tipo: “Como posso estar mais feliz profissionalmente daqui a 5 anos?”.
• 4º Passo – estratégias de carreira – uma vez definido o objetivo, a pergunta seguinte será: “Qual é a estratégia para alcançá-la?”.
• 5º Passo – plano de ação – deverá conter as metas de curto prazo e os indicadores de sucesso.
• 6º Passo – acompanhamento do plano – a avaliação de um projeto deve ser contínua.

Este é o modelo inicial de construção de Carreiras Inteligentes. Este modelo tem relação com o conceito de Âncoras de Carreira (Schein, 1990), que diz respeito ao conjunto de autopercepções relativas a talentos e habilidades, motivações e atitudes, necessidades e valores, baseado nas experiências efetivas de cada indivíduo, criando assim, os rumos que norteiam as escolhas desse profissional.

Ora, o que faz um Coach senão apoiar o Coachee a descobrir interesses verdadeiros, aptidões essenciais e habilidades e, combiná-las com a demanda do mercado, encontrando a atividade em que possa se desenvolver plenamente?

O que promove um Coach senão levar o Coachee a ser feliz nos relacionamentos, a desenvolver a inteligência emocional e a valorizar cada desafio que o universo lhe presenteia?

O que busca um Coach senão ver seu Coachee galgando os passos e as conquistas do planejamento estratégico profissional e pessoal, planejamento este construído numa relação de autoconhecimento profundo?

O que espera um Coach senão ver o Coachee se realizando integralmente, nas 4 áreas essenciais da vida, a liberdade, a prosperidade, a cultura e a felicidade, rompendo as algemas douradas da vida cotidiana?

Busque um Coach para ser mais próspero e feliz! Seja um Coach para apoiar centenas de milhares a serem mais prósperos e felizes.

Referências

DUTRA, J.S.; VELOSO, E.F.R.; FISCHER, A.L. & NAKATA, L.E., As Carreiras Inteligentes e sua Percepção pelo Clima Organizacional. In: Revista Brasileira de Orientação Profissional, Ribeirão Preto, v.1, n.10, p. 55-70, 2009.

HALL, D. T. (1996). The career is dead-long live the career: A relational approach to careers. San Francisco: Jossey-Bass.

HALL, D.T. Careers In and Out of Organizations. London, Sage Publications, 2002.

SCHEIN, E.H. Career Anchors and Job Planning: The Links Between Career Pathing and Career Development. Cambridge, MIT Review, 1990.