A comunicação é a base de qualquer relação humana, tanto no trabalho quanto entre os amigos e a família. É ela que permite que o ser humano seja afeito à vida em sociedade, que seja capaz de criar laços afetivos, de aprender, ensinar, compreender e transmitir. Ela está presente desde os primórdios da existência e evolui lado a lado com as civilizações que, ao se desenvolverem, formaram modos cada vez mais complexos e organizados de se comunicarem.

Desde as pinturas rupestres à internet, passando pela oralidade e escrita, o homem baseia sua existência em perguntas que não pode responder. De onde surge a chuva, de onde viemos, para onde vamos? Onde a humanidade estaria se essas perguntas não tivessem sido feitas um dia? E são as perguntas que funcionam como motor para todo crescimento e para movimentar o nosso dia a dia. No trabalho, precisamos questionar sobre as metas, necessidades, objetivos e desafios. Na vida pessoal, as perguntas são as mais variadas. Elas podem surgir de curiosidades aparentemente banais ou podem significar grandes transformações.

Mas você sabia que existem perguntas certas e perguntas erradas? As erradas são aquelas formuladas a partir de sentimentos negativos e paralisantes, tais como o medo, a frustração, a raiva, a decepção ou mesmo em um momento de grande surpresa. Perguntas feitas a partir de emoções negativas só geram desentendimentos, brigas e, ao invés de respostas, tudo o que se conseguirá serão justificativas.

Já a pergunta certa é aquela que leva à resposta desejada. Ela é formulada a partir de um objetivo claro e de um desejo de resolução. Ela não só é correta, como poderosa, porque tem potencial transformador. Perguntas poderosas devem ser inspiradoras e estimulantes. Elas eliminam os medos e a resistência que temos de pensar em maneiras diferentes de perceber as situações. Um bom truque para construí-las é usar palavras e expressões mágicas, que são verdadeiros labirintos cerebrais. Algumas dessas expressões são “como”, “o quê”, “para quê”. O segredo é fugir de respostas que estejam baseadas em meras justificativas. Não focar jamais nos problemas e sim nas soluções.

Perguntas poderosas ampliam os horizontes, trazem novas alternativas, novos caminhos. Elas têm tudo a ver com o Coaching e, por isso, fazem parte do processo. Com elas, o coachee (cliente) é levado ao autoconhecimento. Perguntas poderosas são voltadas para o presente e futuro, deixando aquilo que já aconteceu e que, portanto, não pode ser mudado, de lado. Fazendo as perguntas certas, o coach é capaz de descobrir os reais objetivos do cliente e traçar as metas que deverão ser alcançadas. O processo se dá na relação dialógica, de coautoria e coresponsabilidade entre coach e coachee quanto aos resultados. É por isso que as perguntas poderosas são perguntas direcionadas ao sucesso.