“O sonho é o que mais lhe apaixona.
Se não lhe apaixona, não é seu Sonho.
O Sonho é o que nos motiva sem esforço. Com o simples fato de ter esse Sonho estamos apaixonados.
O Sonho Pessoal é singular e é sua Vida Sonhada.
É como você quer estar vivendo sua vida, de uma maneira apaixonante que lhe faça vibrar.
Falamos de Sonho, não porque seja utópico, mas porque é abstrato e nos corresponde transformá-lo em Visão (…) Se pudesse se dedicar a fazer o que mais ama na vida, o que faria? (…) Mas seu Sonho é o que lhe faz feliz e lhe apaixona. É o motivo verdadeiro pelo qual desperta pela manhã.”

A educação é uma paixão!!! Sempre me moveu. Ao ser perguntada quando criança, o que eu queira ser quando crescer, nem titubeava:

– Quero ser professora….

Quanto de nós, ainda criança, também respondiam qual era o “sonho” de adulto com firmeza.

Seguir a paixão e visualizar o sonho acontecendo, talvez desde as brincadeiras infantis, mesmo que ainda sem consciência, é o que o torna real.

Falar acerca do conhecimento pedagógico no universo do coaching é identificar as semelhanças de propósitos que ambos postulam.

Quantos pedagogos (do grego Paidagogos –“paidós” – criança , “agodé” – guia, condutor) formais, ou informações, nos inspiraram e inspiram, conduzindo-nos a acessar nossos sonhos, materializá-los tornando-nos seres pensantes, conscientes e agentes transformadores da sociedade?

Concebendo a Pedagogia como ciência ou disciplina, que oportuniza a reflexão, classificação, sistematização e análise do processo educativo, desloca nosso pensar para uma dimensão pedagógica holística do processo ensino X aprendizagem.

Inspiradores como o monge grego João Comênio (Amós Comenius) um dos maiores educadores do século XVII, cujo legado pedagógico foi o de enfatizar a necessidade da interdisciplinaridade, da afetividade do educador e das interações educacionais entre família e escola, além do desenvolvimento do raciocínio lógico e do espírito científico para a constituição integral do homem, nos âmbitos religioso, social, político, racional, afetivo e moral, explicita uma didática visionária, que transforma a concepção do universo educacional.

Não obstante no inicio do século XX, na Alemanha, a pedagogia Antroposófica, aplicada por Rudolf Steiner , também chamada de pedagogia holística, em um dos mais amplos sentidos que se pode dar a essa palavra quando aplicada ao ser humano e a sua educação, postula o zelo ao querer (agir) através da atividade corpórea; o sentir é incentivado por meio da abordagem artística; o pensar vai sendo cultivado paulatinamente desde a imaginação dos contos, lendas e mitos, até o pensar abstrato rigorosamente científico. Tudo isto, respeitando as fases de desenvolvimento do sujeito.

No Brasil Paulo Freire, este pensador audaz que influenciou o processo pedagógico a trasladar os muros das escolas e acessar uma nova concepção da dimensão pedagógica, indo além do tecnicismo entregue nas salas de aulas, seminários, congressos, tornando-a um ato cultural, quando se aprende fazendo, perguntando, atuando a partir das relações de interdependência. Tornando a pessoa, sujeito, atuante, consciente e interativo com o meio em que convive.

Este recorte da dimensão pedagógica dialoga com o universo do coaching, no que tange, não somente o despertar daquilo que possuímos latente em nós e poucos acessam , que é a paixão ardente, o querer, o sonho, mas, sobretudo, no desvendar de um processo respeitoso que oportuniza o desenvolvimento humano integral da pessoa, este sujeito ativo.

O Coaching compreendido enquanto um processo profundo e consciente, revela que sua origem não dever ser concebido por uma ótima reducionista, atribuída a uma única corrente fundadora ou a uma pessoa e sim, a uma vasta pesquisa desde o oriente ao ocidente, dos filósofos mais remotos, às concepções inovadoras do milênio, do mundo contemporâneo.

O universo sistêmico do Coaching interage com as dimensões pedagógicas ao estabelecer uma relação de apóio, orientação, motivação do sujeito em direção ao desenvolvimento pessoal, educacional, profissional e espiritual. Foca em seu estado atual e o inspira a avançar, utilizando assim, dentre outros recursos e ferramentas, a abordagem por competências.

O processo é de mão dupla, há a integração dos saberes (saberes teóricos e práticos), do saber- fazer e das atitudes necessárias para que se convertam no saber conviver.

A Pedagogia e o Coaching comungam numa perspectiva construtivista, quando se considera que o conhecimento se faz progressivamente, por meio das interações entre os sujeitos e o meio, estabelecendo a direção, as metas e as tarefas, para o resultado que se pretende alcançar, num contexto que será confrontado, e, sobretudo, propício a reflexões, utilizando-se da maiêutica socrática com o fim de instigar o sujeito a dar sentido a ações que não eram significativas a partir da tomada de consciência do que é importante, do que faz sentido entre os fatos, estabelecendo relações com o todo, e daí formando a imagem de mundo real, consciente, integral e holístico.

Assim como o processo pedagógico, que parte da relação amorosa, sábia e efetiva do ato de ensinar, o coaching acessa o apóio ao sujeito para atuar em sua vida, a partir da luz da consciência, e, nesta dimensão, reencontrando seu sonho e tornando-se um agente transformador da sociedade.